ALIMENTOS

Latinos preocupados com saudabilidade



27.07.2018 - 03:54

Segundo dados da Kantar Worldpanel, os latino-americanos fazem, em média, quatro refeições diárias e gastam 8% do dia preparando os pratos para a família ou para si. Bolivianos e equatorianos são aqueles que mais tempo ficam na cozinha. O almoço é a refeição mais importante para 54% dos domicílios, seguido pelo café da manhã, que aparece com 36% no ranking de relevância. Ainda de acordo com os dados, 82% da população cozinha todos os dias em casa, sendo que 63% come algo entre as refeições, sendo os argentinos e os peruanos os maiores adeptos da prática.

Cerca de 58% dos latino-americanos almoçam e jantam em casa todos os dias, comportamento mais comum ainda na Venezuela, América Central e Bolívia. Apenas um em cada 10 lares pedem entrega de comida - isto é mais comum quando as mães trabalham. A mulher é ainda a responsável pelo preparo das refeições em 93% dos lares da região, enquanto 13% dos homens cozinham, chegando a 23% na Argentina - enquanto as filhas e os filhos participam ativamente da culinária em 15% das famílias. Nos lares onde a mãe trabalha, 15% dos maridos e 19% das crianças cozinham. Nos lares com três gerações, as avós também ajudam na tarefa, sendo 16% na Venezuela e 8% no Peru e na Colômbia.

O levantamento aponta também que 63% acham que cozinhar é uma fonte de orgulho - e sentem que estão mostrando amor para suas famílias, gastando tempo cozinhando para eles; oito em cada dez mulheres na região (82%) dizem que cozinham em casa todos os dias e gostam de fazê-lo. No entanto, duas em cada dez pessoas (18%) consideram a culinária uma tarefa nada agradável, na Argentina o índice chega a 25%. As mães latino-americanas gostam de cozinhar para os filhos, sendo que 36% atendem os pedidos dos filhos, enquanto 15% das crianças pequenas comem o mesmo que os adultos da família.

Para 40% dos latino-americanos o equilíbrio nutricional é importante na hora de cozinhar; outros 40% querem alimentos fáceis de fazer, enquanto 34% optam por aquilo que é mais fácil de preparar. Em toda a região, 21% dos domicílios usam produtos que facilitam o cozimento – na Argentina, o índice vai a 35%. Os consumidores ainda estão ansiosos para comer as receitas da família que desfrutam por gerações, e a tradição é uma prioridade para mais de um quarto das pessoas (28%), principalmente na América Central, Equador e Brasil.

Em toda a América Latina, 10% das pessoas preparam refeições que são adaptadas para uma dieta especial - tais como sem glúten, baixo teor de sal ou dietas sem açúcar. O valor é mais alto entre consumidores com 50 anos ou mais (15%). Cerca de 7% da população reduz a quantidade de gordura na hora da alimentação por meio de opções mais leves ou com pouca gordura. Os latino-americanos exigem produtos frescos e 59% reparam no prazo de validade dos produtos, enquanto 13% estão preocupados com a quantidade de açúcar, 11% com a quantidade de gordura e 11% com a quantidade de sal.

A preocupação com a saúde fez com que aproximadamente 30% mudassem os hábitos alimentares no último ano. Houve aumento no consumo de frutas e vegetais e na redução do sal - 20% - açúcar, frituras e carne vermelha, sendo que 5% parou de comprar refrigerantes e 4% parou de beber álcool. Enquanto 7% dos lares reduziram a quantidade de produtos lácteos em sua dieta, 4% aumentaram para tirar partido dos benefícios de uma dieta rica em cálcio.