SUPERMERCADOS

Vendas reais crescem 4,92% em junho



02.08.2010 - 02:50

Segundo dados do Índice Nacional de Vendas divulgado mensalmente pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), as vendas reais do setor cresceram 4,92% em junho na comparação com o mesmo mês de 2009. Em relação a maio de 2010, houve retração de 4,59%. No primeiro semestre, as vendas reais registraram aumento de 5,57%, na comparação com igual período de 2009. Esses índices já foram deflacionados pelo IPCA do IBGE.

Em valores nominais, o Índice de Vendas da Abras teve incremento de 10% em junho de 2010 em relação a junho de 2009 e queda de 4,59% sobre maio deste ano. O acumulado nominal, no primeiro semestre de 2010, atingiu a 10,82%, na comparação ao mesmo período do ano passado. "O setor supermercadista mantém bons índices de vendas. Acredito que as boas notícias na área econômica, como a geração de empregos recorde no primeiro semestre e o crescimento da massa salarial, credenciam para um bom desempenho do setor no segundo semestre do ano", avalia Sussumu Honda, presidente da Abras.

A Abras Mercado, cesta de 35 produtos de grande consumo, analisada pela GfK mostrou retração de 1,22% em junho na comparação com maio deste ano. Na comparação com junho de 2009, o AbrasMercado apresentou crescimento de 3,89%, passando de R$ 265,57 para R$ 275,91.

Os produtos com as maiores altas em junho, na comparação com maio, foram: farinha de mandioca, com 3,53%; xampu, com 3,34%; e queijo prato, com 3,23%. Já os produtos com as principais quedas foram: batata, com -19,29%; tomate, com -9,74%; e açúcar, com -7,12%.

De acordo com o Índice Nacional de Volume, pesquisado pela Nielsen para a Abras, o autosserviço brasileiro apresentou, no primeiro semestre de 2010, crescimento de 6,5% nas vendas em volume, em comparação ao mesmo período de 2009. O bom desempenho foi puxado pelas cestas de bebidas alcoólicas, com 15%, e bebidas não alcoólicas, com 10,9%. Também registraram crescimento as cestas de perecíveis, com 9%; limpeza caseira, com 6,2%; mercearia salgada, com 5,3%; higiene e beleza, com 3,7%; e mercearia doce, com 3,4%. A cesta "outros", que contém principalmente produtos de bazar, foi à única a ter queda no volume vendido, com -2,3%.

Entre as regiões, houve aumento em todas, com destaque para a área que engloba Espírito Santo, Minas Gerais e interior do Rio de Janeiro, com 9,8%, seguida pelo Nordeste (Ceará até Bahia), com 8,6%; Sul, com 8,4%; Grande São Paulo, com 7,7%; interior e litoral de São Paulo, com 4%; Grande Rio de Janeiro, com 3,6%; e Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal, com 1,6%.