MASSAS ALIMENTÍCIAS

Setor fatura R$ 6 bilhões em 2011



13.03.2012 - 04:26

A Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias (Abima), em parceria com a consultoria Nielsen, divulgou que as empresas do setor registraram crescimento de 3,5% no faturamento em 2011 sobre o ano anterior, atingindo R$ 6,1 bilhões.

O resultado foi impulsionado principalmente pelas categorias de massas instantâneas (5,9%) e frescas (18,2%), com faturamentos de R$ 1,8 bilhão e R$ 539 milhões, respectivamente. Em 2007, início da série analisada pela Abima/Nielsen, o faturamento total do setor era de R$ 5,1 bilhões. Isso significa que o aumento nos últimos cinco anos chegou a 18,7%. As massas frescas pularam de R$ 366 para R$ 539 milhões (crescimento de 47,3%), enquanto as instantâneas subiram de R$ 1,4 para R$ 1,8 bilhão, o que representa aumento de 32,9%. A categoria de massas secas continua sendo o carro-chefe do mercado e teve aumento de 9,6%, alcançando R$ 3,7 bilhões em 2011.

A entidade afirma que os números mostram que o consumidor atual busca produtos com mais sofisticação e maior praticidade, tendência que se apresentou nos dois últimos anos. “O aumento do poder de compra dos brasileiros promove a busca por produtos mais sofisticados. Com dinheiro na mão, as pessoas podem experimentar mais e comprar massas já recheadas, por exemplo. Além disso, o número de pessoas que moram sozinhas e que procuram praticidade também aumentou, o que explica o crescimento das massas instantâneas”, afirma Claudio Zanão, presidente da Abima. Em volume, os brasileiros consumiram 51 mil toneladas de massas frescas e 183 mil toneladas de massas instantâneas em 2011.