FRIGORÍFICOS

JBS lucra R$ 1,1 bi no terceiro trimestre



13.11.2014 - 10:44

A JBS registrou lucro líquido de R$ 1,1 bilhão no terceiro trimestre, valor quase cinco vezes superior ao obtido no mesmo período de 2013 e que representa um acréscimo de 397,2% na comparação com o mesmo trimestre do último ano (R$ 219,8 milhões). O Ebitda da Companhia atingiu R$ 3,6 bilhões, 111,6% a mais  que o mesmo trimestre de 2013, enquanto a margem Ebitda passou de 7,1% para 11,9% na comparação dos trimestres. O desempenho é atribuído aos resultados positivos registrados nas operações de aves, suínos e bovinos nos Estados Unidos e também aos bons números apresentados pela JBS Foods.

Os bons resultados no Brasil e no exterior permitiram que a JBS reduzisse a relação entre a dívida líquida e seu Ebitda recuou de 4,03x no terceiro trimestre do ano passado para 2,54x ao final de setembro deste ano. Parte desse resultado também pode ser atribuída à geração de caixa apresentada pela JBS. No terceiro trimestre deste ano, a Companhia registrou um caixa operacional superior a R$ 3 bilhões, dos quais, R$ 2,13 bilhões em caixa livre.

 

JBS Foods

 

A JBS Foods encerrou o terceiro trimestre com Ebitda encerrou o terceiro trimestre de R$ 576 bilhões e margem Ebitda de 17,1%, acima dos R$ 227,3 milhões e margem de 7,9% registrados no quarto trimestre do ano passado. A melhora dos resultados da JBS Foods decorre do incremento de preços nos produtos finais e da redução do custo da matéria-prima no período, principalmente no que diz respeito aos preços dos grãos. A receita líquida da foi de R$ 3,37 bilhões no trimestre, incremento de 9,5% em comparação com o segundo trimestre do ano e de 14,8% ante o quarto trimestre do ano passado. As vendas no mercado interno somaram R$ 1,65 bilhão no período, aumento de 17,2% em comparação ao segundo trimestre de 2014. Já as exportações da JBS Foods totalizaram R$ 1,72 bilhão no terceiro trimestre, crescimento de 3% ante o trimestre imediatamente anterior, sendo impulsionadas pelo aumento no volume comercializado, principalmente para os mercados emergentes.

Já a JBS USA contabilizou receita líquida de US$ 9,1 bilhões no terceiro trimestre deste ano, dos quais US$ 5,8 bilhões foram provenientes da operação de bovinos, US$ 937,8 milhões de suínos e US$ 2,26 bilhões de aves (Pilgrim’s). O resultado representa um crescimento de 18% em comparação ao mesmo período do ano passado, quando a receita total da unidade de negócios totalizou US$ 7,7 bilhões, sendo US$ 4,68 bilhões da operação de bovinos, US$ 903,3 milhões de suínos e US$ 2,14 bilhões de aves. A operação de carne bovina nos Estados Unidos, que inclui os resultados da Austrália e do Canadá, registrou crescimento do Ebitda, de US$ 125,3 milhões no terceiro trimestre do ano passado para os atuais US$ 504,9 milhões, crescimento acima de 300%. Além da melhora nos Estados Unidos, Austrália e Canadá apresentaram uma melhora relevante em seus desempenhos, contribuindo para o resultado final da unidade de negócio.

O Ebitda da unidade de suínos no terceiro trimestre do ano foi de US$ 113,2 milhões, desempenho 158,3% superior aos US$ 43,8 milhões registrados no mesmo período do ano passado. Já a unidade de aves Pilgrim’s somou Ebitda de US$ 435,4 milhões no terceiro trimestre do ano, 92,6% acima dos US$ 226,1 milhões registrados no mesmo período do ano passado.

 

JBS Mercosul

 

A JBS Mercosul registrou no terceiro trimestre vendas totais de R$ 6,47 bilhões, um crescimento de 14,8% em comparação ao mesmo período de 2013 e de 2,8% ante o segundo trimestre do ano. Mesmo diante de um ambiente adverso para os preços da matéria-prima no Brasil, o resultado positivo foi influenciado pelo aumento do preço médio dos produtos no mercado internacional e também pela estratégia adotada pela companhia de investir em produtos com marca e maior valor agregado no mercado brasileiro.

As operações do Paraguai e Uruguai permaneceram com boa performance diante do aquecimento do mercado internacional. Na Argentina, além da melhora constante da produtividade, a JBS está com estratégia voltada para a comercialização de produtos de alto valor agregado destinados ao mercado doméstico daquele país.