LEITE

Programa já beneficiou mais de 75 mil produtores



21.09.2018 - 03:05

As empresas participantes do Programa Leite Mais Saudável devem investir no mínimo 5% dos seus créditos de PIS e COFINS em projetos para beneficiar os produtores rurais e a qualidade do leite por eles produzido. As iniciativas tem que ser enviadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e auditores fiscais federais agropecuários (Affas) irão avaliar e acompanhar cada projeto para garantir que os recursos estão sendo utilizados corretamente. "Nós temos hoje uma situação crítica da pecuária de leite. Vemos muita evasão da atividade, muitos produtores e seus filhos saindo", diz o Affa Rodrigo Machado, da Coordenação de Boas Práticas e Bem-estar Animal (CBPA). "Um programa como esse permite fazer um fomento de massa. Você trabalha em projetos que levam conhecimento técnico e financeiro para os produtores", continua.

Os auditores acompanham a criação e execução do projeto através de visitas a campo. A empresa interessada deve entregar sua proposta na superintendência do Mapa de seu estado. O Affa Bruno Leite afirma que anualmente um relatório sobre suas atividades deve ser apresentado. Quaisquer mudanças necessárias são apontadas pelos auditores e a empresa pode ter que devolver os recursos utilizados se não cumprir os termos.

"Se você garante uma produção consciente, você tem uma matéria-prima de qualidade. O número de fraudes cai, porque um produto bom não precisa ser fraudado, não vale a pena. No final da cadeia teremos um queijo, um iogurte que duram mais na prateleira, que possuem um sabor melhor", completa.

O Programa Leite Mais Saudável começou em 2015 e já beneficiou mais de 75 mil produtores com um investimento acumulado de quase R$ 283 milhões em projetos de melhoramento genético, gestão de propriedades e educação sanitária, entre outros.